segunda-feira, 21 de março de 2011

INDIGNAÇÃO




Nos questionários que nos foram entregues para preenchimento de dados relativos aos “Censos de 2011”, muitas são as perguntas, mas nem uma única alínea para se perguntar se algum dos portugueses tem deficiência, muito menos qual o seu tipo. Assim se perde a grande oportunidade de se fazer um censo sobre os cidadãos diferentes de Portugal e qual a especificidade da sua diferença. Mais uma vez estes cidadãos são ignorados…
Por Mário Relvas
http://censos.ine.pt/xportal/xmain?xpid=CENSOS&xpgid=censos2011_apresentacao

Partilho da mesma indignação deste pai e amigo - o Mário Relvas...
É grosseira a forma como somos ignorados num país dito desenvolvido!
Desculpem-se como bem lhes aprouver agora, ou continuem a ignorar também esta nossa legítima indignação, mas sem duvida que o sentimento das familias que se debatem todos os dias com a deficiencia, é o de que fomos mais uma vez, totalmente esquecidos!

6 comentários:

Fê-blue bird disse...

Minha amiga:
Partilho da sua indignação, aliás quando estava a preencher os censos, na parte que indica a falta de visão e de audição, eu questionei-me acerca de tantas outras deficiências esquecidas.
Triste país o nosso.

Bjs

Marlene disse...

Concordo literalmente!
Ao preencher os questionários, fiquei sem saber como preencher o da minha mana. A minha vontade era nem preencher sequer. Como é que é possível que um país que se diz tão "evoluido", continue a esquecer os deficientes, a colocá-los de lado. Diria mesmo "a fingir que não existem". Será que "estragam" as estatísticas??! Enfim!

*Lisa_B* disse...

Concordo!
Deviamos protestar e não os preencher visto que não abarcam todos e então estatísticas para quê?

Atena disse...

Preenchi os meus, que é o meu dever cívico. Não critico o trabalho, e percebo que de certa forma na questão 10, afloram o tema... mas podiam ter ido muito mais além - o custo nseria o mesmo e apenas com uma pergunta onde se pudesse especificar o tipo de handicap de que se é portador, ficaríamos com um quadro completon de todas as problemáticas por tipo e zona, no nosso país. Parece uma informação útil, sob todos os aspectos. Inclusivé organizar o tipo de resposta correcta por zona de acordo com o numero de pessoas. Chamo-lhe descriminação positiva e urgentíssima. Mas secalhar estou a ver mal alguma coisa... Tinha sido tão simples, mas não parece ter interessado! É que com isso, ficaria clara a falha que existe no sistema para com estes cidadãos diferentes que, infelizmente não têm garantidos todos os seus direitos... Ficaría claro que existem familias com histórias de vida e de sobrevivencia, dramáticas... pais que não podem trabalhar porque a sociedade nada tem para dar a quem é diferente... Pais que sofrem diariamente com filhos com nessecidades diferentes que a sociedade não quer saber, nem responder...
Preenchi, mas escrevi Autismo na questão final da pergunta 10.

Sandra disse...

Ouvi hoje na TSF que a APD pondera, à semelhança do que já aconteceu por causa dos recibos verdes, colocar uma acção judicial por causa das omissões graves deste Censos.

Mesmo que trágico, digam-me lá se este Censos não é de obrigar a que se dê uma gargalhada... sinistra...
Das duas uma, ou estes fulanos do INE andam todos doidos ou pensam que andamos muitos distraidos.
O site do Censos diz-nos que "ao responder aos Censos está a exercer simultaneamente um direito e um dever de cidadania. Ao responder aos Censos, cada cidadão está a “contar” para a “fotografia” da população e do parque habitacional. Essa fotografia só terá qualidade se reflectir a realidade de todos e de cada um. Ao não responder, estará a impedir a nitidez e o rigor do retrato do país e das medidas que, a partir dele, vierem a ser tomadas."

E eu pergunto: reflectir a realidade de cada um?!
Então e o que é feito da realidade dos sem abrigo? Como já toda a gente reparou o Censos requer que o recenseado viva num alojamento familiar. Ao que parece, os sem abrigo de Lisboa, mesmo que registados como tal, tiveram que preencher o Censos como se morassem nas torres de luxo, à porta das quais dormem!

É isto que o INE chama de "fotografia" séria?!

caminhante disse...

por vezes, questiono-me onde estão... não se vêem nas ruas, não se vêem em lado nenhum. e lembro-me de uma notícia que ouvi há muito tempo mas que nunca esqueci, de um menino[já adulto] que vivia isolado numa espécie de celeiro porque era deficiente e nem os pais o aceitavam. infelizmente, ainda tão ignorados, neste país... as perguntas dos censos são mais um exemplo disso.

um beijinho terno...

 
Web Statistics